[ editar artigo]

Máscaras faciais são produzidas por meio de impressão 3D nas Faculdades da Indústria

Máscaras faciais são produzidas por meio de impressão 3D nas Faculdades da Indústria

Equipamentos da instituição estão sendo utilizados para confeccionar itens que serão usados por profissionais da saúde no combate à COVID-19

Para contribuir no combate à COVID-19, uma equipe das Faculdades da Indústria, em Londrina, está confeccionando suportes para máscaras faciais utilizando a impressora 3D que há disponível na instituição, adquirida recentemente por intermédio do Senai Lab. “O nosso desafio era produzir suportes que fossem confortáveis e se adequassem a diversos tipos de pessoas, mas o projeto ficou muito maior e agora estamos imprimindo entre 10 e 15 itens por dia”, conta o professor Wesley Candido da Silva, que está realizando a ação junto com Luis Gustavo Ferrareto Espontao, aluno do curso de Engenharia Elétrica.

A ação faz parte de uma iniciativa realizada em conjunto com outras entidades do município que, junto com o Senai, já produziram cerca de 400 suportes em uma semana, somando-se todas as impressoras em funcionamento. “Foi feita uma grande mobilização para a confecção desses suportes porque a produção é demorada, leva mais de uma hora para fazer a impressão de cada um deles. A cada dia, no final da tarde, é feita a coleta dos nossos suportes, que são levados para outro local para a colocação dos visores”, explica o professor. Depois de prontas, as máscaras estão sendo doadas para hospitais públicos de Londrina e região.

Para a confecção dos suportes, a equipe das Faculdades da Indústria está utilizando seu próprio estoque de matéria-prima. “No entanto, o Colégio Sesi Internacional de Londrina iniciou uma campanha para conseguir mais insumos, o que vai possibilitar que a gente produza as máscaras de forma completa, com suportes e visores, aqui mesmo no Senai, entregando-as prontas para as unidades de saúde”, comenta Wesley. O professor ainda afirma que, por enquanto, a prioridade é atender a demanda do Hospital Universitário de Londrina, que está concentrando o atendimento de referência à COVID-19 na região, mas que a demanda de outras unidades de saúde também é bem grande e será atendida na sequência. A meta original de produção do grupo é de confeccionar até 2 mil máscaras.

Máscaras faciais são produzidas por meio de impressão 3D em ...

Impressão de máscaras em São José dos Pinhais

Em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, outra equipe das Faculdades da Indústria está desenvolvendo ação semelhante, confeccionando máscaras faciais completas, também com impressoras 3D disponíveis no FABLAB da instituição. A ação está sendo realizada em conjunto com indústrias instaladas no município, que uniram suas forças às Faculdades da Indústria de São José dos Pinhais para produzir as 2 mil máscaras necessárias para atender a demanda da cidade. No total, são 9 impressoras dedicadas à produção e em menos de uma semana já foram confeccionadas 200 máscaras para doação a profissionais de unidades de saúde do município. Saiba mais aqui.

Além da impressão de máscaras que já está sendo feita, também estão sendo realizados outros testes na unidade, de opções que façam com que a fabricação desses itens tenha custo menor e seja mais rápida. Os testes estão sendo realizados com um equipamento que se chama Vacuum Forming, no qual se coloca uma forma em uma chapa de plástico e, por meio do vácuo, a máquina faz com que a chapa ganhe o formato do molde.

Por: Faculdades da Indústria

Observatório Sistema Fiep
Ler conteúdo completo
Indicados para você